5 atletas paraolímpicos e suas histórias inspiradoras

6 minutos para ler

Tendo sido 2021 o ano dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, em que comemoramos e lamentamos a vitória e derrota de nossos atletas, muitas pessoas esquecem que também foi neste ano em que ocorreram os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020.

E para lembrarmos e valorizarmos nossa seleção que nos representou e nossos paratletas, o que acha de conhecermos um pouco de como foi a atuação do Brasil nesta edição e cinco grandes atletas paraolímpicos brasileiros?

Brasil nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020

Nesta edição dos jogos, nossa seleção brasileira levou o maior número de atletas para fora do país desde então, com 260 paratletas nos representando. E não foi somente nossa delegação que foi a maior até o momento, pois nesta edição conquistamos a 7ª posição no quadro de medalhas.

Com 72 medalhas conquistadas, sendo 22 ouros, 20 pratas e 30 bronzes, a seleção brasileira ultrapassou o recorde de medalhas de ouro em uma edição dos jogos, pois o recorde era de 21 ouros nos Jogos Paralímpicos de Londres 2012.

Vale comentar que atualmente o esporte paralímpico no Brasil tem vivido um bom momento, com uma gestão bem organizada e um ótimo centro de treinamento que está entre os melhores do mundo.

É por conta de todo o esforço e dedicação de nossos paratletas, somado à constante valorização dos esportes paralímpicos, que nossa seleção conquistou uma boa colocação nesta última edição dos Jogos de 2020.

5 atletas paraolímpicos inspiradores

A atividade física adaptada tem transformado vidas. Muitas pessoas com deficiência têm encontrado nos esportes paralímpicos formas de superação de suas dificuldades, possibilitando-as a voltarem a sonhar e alcançarem seus objetivos.

Para valorizarmos essas pessoas que conseguiram chegar tão longe ao ponto de participarem dos Jogos Paralímpicos, vejamos alguns paratletas e suas histórias inspiradoras:

1.    Gabriel Bandeira

Paratleta estreante na categoria S14, que é para pessoas com deficiência intelectual, Gabriel Bandeira conquistou a primeira medalha de ouro de nossa seleção em Tóquio, vencendo na prova dos 100m borboleta, além de outras duas medalhas de prata e uma de bronze.

Natural de Indaiatuba, interior de São Paulo, Gabriel praticava natação convencional há 10 anos e já tinha sido diagnosticado com hiperatividade e déficit de atenção, até que fez alguns testes e foi classificado como deficiente intelectual.

Demostrando algumas dificuldades durante sua alfabetização e posteriormente no aprendizado na escola, ele se encontrou nas piscinas como um atleta.

Futuramente, ao ser classificado como deficiente intelectual em 2019, Gabriel passou a estar apto a competir no esporte paraolímpico, conquistando muitas medalhas desde então e trazendo orgulho à sua família, amigos e nação!

2.    Yeltsin Jacques

Natural de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, Yeltsin Francisco Ortega Jacques conquistou duas medalhas de ouro nesta última edição dos Jogos, vencendo os 5000m e 1500m em T11, que é a classe para atletas cegos e em que os corredores são acompanhados por um guia.

Em especial esse de 1500 em T11, pois o paratleta além de conquistar o ouro também marcou um novo recorde mundial!

Já tendo nascido com baixa visão, Yeltsin inicialmente praticava natação, passando para o judô aos 12 anos, até que conheceu o atletismo por indicação de um amigo.

Apesar de ter nascido com baixa visão, Jacques sempre encontrou nos esportes uma forme de seguir em frente com sua vida, tendo neste ano alcançado o ápice de um paratleta no atletismo e um novo recorde mundial.

3.    Edwarda Dias

Edwarda de Oliveira Dias, da cidade de Suzano, região metropolitana de São Paulo, é uma paratleta que compôs nosso time feminino de vôlei sentado nesta edição dos Jogos, conquistando uma medalha de bronze.

Também tendo participado dos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro 2016 e conquistado o bronze, a paratleta é um dos nomes fixos na seleção feminina de vôlei sentado há cinco anos.

Edwarda nasceu sem uma parte de sua perna direita e encontrou no vôlei uma forma de se divertir e alcançar seus sonhos.

E a paratleta não para por aí; desde de 2019 vem jogando parabadminton, ao ponto de já ser uma forte candidata, junto de Rogério Junior, a representar o Brasil nessa modalidade nos Jogos Paralímpicos de Paris 2024.

4.    Jovane Guissone

Jovane Guissone é um esgrimista paralímpico, natural de Barros Cassal, do Rio Grande do Sul, ganhador da medalha de prata em Tóquio 2020 e da medalha de ouro em Londres 2012, na esgrima de cadeira de rodas, sendo considerado o maior nome da esgrima paralímpica no Brasil.

Jovane perdeu os movimentos nas pernas em 2004, ao reagir a um assalto e levar um tiro, mas não se deixou abalar. Começou a praticar esgrima quatro anos depois e hoje é um dos melhores do mundo.

Jovane é exemplo de transformação e superação, mostrando que força de vontade e persistência podem nos levar a qualquer lugar.

5.    Débora Menezes

E temos a Débora Bezerra de Menezes, nascida em São Paulo, como a parataekwondista da categoria K44, referente aos paratletas com limitações em apenas um lado do corpo, ganhadora da medalha de prata nesta edição dos Jogos.

Tendo nascido com uma má-formação no cotovelo direito, a paratleta se interessou pelos esportes paralímpicos no final de sua faculdade, começando a praticar parataekwondo em 2013.

Após praticar muito, Débora recebeu consecutivamente, de 2017 a 2019, o Prêmio Brasil Olímpico de Melhor Atleta do Ano de Parataekwondo, concedido pelo Cômite Paralímpico Brasileiro, estreando então em Tóquio 2020 e arrebatando a medalha de prata.

Esses foram apenas cinco dos inúmeros paratletas excelentes que temos no Brasil, estando todos eles de parabéns por todo o esforço e dedicação aos seus respectivos paraesportes, mostrando-nos como os esportes podem nos levar longe e melhorar nossa qualidade de vida.

Vale lembrar que para aqueles que praticam paraesportes, ou para os que têm interesse em começar a praticá-los, a cadeira de rodas esportiva é a mais indicada, pois é feita especificamente para isso.

E você acompanhou os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020? Já conhecia esses atletas? Deixa aí nos comentários sua resposta e sua opinião sobre o post.

Ah, e não se esqueça de nos acompanhar nas nossas redes sociais, Instagram e Facebook, para sempre ficar sabendo quando tivermos mais posts interessantes para você!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

-