Ciclismo para deficientes: o que é e como funciona o ciclismo paraolímpico?

4 minutos para ler

Você conhece o ciclismo para deficientes? Trata-se de uma modalidade esportiva destinada a amputados e lesionados medulares (cadeirantes), assim como a deficientes visuais e paralisados cerebrais. Pessoas de ambos os sexos podem participar de competições envolvendo o esporte.

Tal prática esportiva é dividida em categorias. Da mesma forma, os tipos de bikes utilizados nos jogos variam de acordo com a deficiência do atleta. Competições mundiais são especialmente organizadas para prestigiar o esporte, que também está nas Paraolimpíadas.

Neste post, vamos falar sobre a história do ciclismo para deficientes, como funciona o esporte e os modelos de bicicletas utilizados. Veja!

Qual a história do ciclismo para deficientes?

O ciclismo paraolímpico surgiu na década de 1980 e, inicialmente, era destinado aos deficientes visuais. Nas Paraolimpíadas de Nova York, em 1984, a modalidade foi estendida aos paralisados cerebrais e amputados.

Já nos jogos de Atlanta, em 1996, as deficiências foram divididas em categorias, conforme o tipo e o grau de debilidade dos atletas. Além disso, a velódromo entrou na programação do evento. Em Sydney, nos anos 2000, o handcycling foi apresentado ao público.

O primeiro brasileiro a participar de uma competição paraolímpica nessa modalidade foi Rivaldo Gonçalves Martins. Ele foi campeão mundial em 1994, na Bélgica.

Como o ciclismo paraolímpico funciona?

O ciclismo para deficientes é dividido em ciclismo de estrada e de pista. Entenda, a seguir, as diferenças entre cada uma das modalidades!

Ciclismo de estrada

Nessa modalidade, todos largam ao mesmo tempo e vence a prova quem chega primeiro. Tal prática exige força e resistência, além de bastante estratégia. Afinal, é preciso regular o ritmo para evitar o cansaço extremo durante o percurso, condição que compromete o resultado. Os trajetos podem chegar a 120 quilômetros.

Ciclismo de pista

O ciclismo de pista engloba três tipos de provas: contrarrelógio, perseguição e velocidade (sprint). As competições ocorrem em uma pista oval de 250 a 325 metros. Saiba mais sobre cada modalidade a seguir!

Contrarrelógio

Na categoria contrarrelógio, cada paratleta pedala sozinho uma distância de 500 metros (mulheres) ou um quilômetro (homens). Vence quem fizer o menor tempo.

Perseguição

Já na modalidade perseguição, dois atletas disputam a corrida, cada um em um lado da pista. Mulheres devem percorrer três quilômetros e homens, quatro. Para vencer, é preciso alcançar o adversário e fazer o menor tempo.

Velocidade (sprint)

Essa é uma prova bastante estratégica realizada também por dois ciclistas que precisam fazer três voltas no velódromo de 250 metros. Durante a corrida, os competidores tentam ficar para trás para aproveitar o vácuo da frente e se cansarem menos. Assim, podem atacar no momento que julgarem mais propício, aumentando as chances de vencer o jogo.

Quais os modelos de bikes utilizados?

Vamos de bike? Modelos de bicicletas que todo mundo pode passear ...

Levando em conta a debilidade de cada atleta, essa prática paraolímpica é dividida em classes. Além disso, os competidores utilizam diferentes modelos de bicicletas, conforme o tipo de deficiência. A saber:

  • convencionais: para atletas com deficiência físico-motoras, incluindo os amputados. Algumas adaptações podem ser necessárias;
  • handbikes: dedicadas a quem tem paralisia cerebral, elas contam com duas rodas na traseira para possibilitar um maior equilíbrio;
  • triciclos: são modelos conduzidos por meio dos membros superiores, ideais para ciclistas com paraplegia e tetraplegia;
  • tandem: com dois bancos e quatro pedais, esse tipo de bike é indicado a atletas com deficiência visual e seus guias.

Gostou de conhecer o ciclismo para deficientes? Para participar de competições envolvendo o esporte, é fundamental preparar-se antes com a ajuda de um profissional especializado, que prestará orientações quanto a rotina de treinos, exercícios e outros cuidados necessários a todo atleta. Que tal iniciar já a prática?

Se você achou o post útil e interessante, saiba que pode acompanhar outras novidades postadas neste blog por meio de nossas redes sociais. Siga-nos no Facebook e no Instagram!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

-