Deficiência física na escola: como colaborar para a inclusão?

4 minutos para ler

Garantir a inclusão das crianças com deficiência física na escola é mais do que uma boa ação, é a lei. De acordo com a Lei de Diretrizes Básicas da Educação, número 9.394, de 20 de dezembro de 1996, toda pessoa com deficiência (seja ela física, intelectual, auditiva ou visual) tem direito à igualdade de oportunidade assegurada — e isso deve começar ainda na fase escolar.

Mas será que essa inclusão é mesmo uma realidade para todos? O que tem sido feito nessa esfera pelas crianças brasileiras? O que esperar da gestão escolar? Qual a importância da atuação ativa dos familiares e da própria comunidade em favor dessa acessibilidade? É o que abordaremos neste post. Confira!

As ações do Governo

Em 2015, foi criado, em nosso país, o Estatuto da Pessoa com Deficiência. Desde então, a sua principal bandeira é, justamente, a inclusão escolar. As instituições especializadas em crianças com deficiência deram espaço às escolas inclusivas — ou seja, nenhuma instituição de ensino pode reusar a matrícula desses pequenos estudantes, nem cobrar taxas diferenciadas por isso.

A gestão escolar

Da escola, por sua vez, espera-se que todas as crianças tenham, igualmente, o contato com as práticas e metodologias elaboradas para o seu desenvolvimento, não apenas como estudante, mas também como cidadão.

É claro que a prática é um pouco mais desafiadora do que a teoria, e cabe à comunidade escolar manter-se atenta a alguns fatores no cotidiano da criança com limitações físicas dentro de sala de aula, como:

  • adaptação e previsão de recursos em sala;
  • formação da equipe inclusiva;
  • conversa e resolução de conflitos;
  • garantia de qualidade do ensino e da aprendizagem.

Vale a pena lembrar que os alunos com deficiência física não devem ser acolhidos apenas no que tange às suas necessidades de aprendizado e acolhimento — apesar de eles serem fundamentais.

O ambiente escolar físico precisa estar pronto para receber esses alunos. Já existem leis, por exemplo, que favorecem o desenvolvimento e a interação das crianças com e sem deficiência nos ambientes de creches e pré-escolas. Por meio dessas ações, é possível a participação de todos nos espaços como o berçário, parquinho, refeitório etc.)

Medidas como a instalação de rampas de acesso, a adaptação de banheiros, refeitórios, bebedouros e bibliotecas e a expansão da largura dos corredores, por exemplo, também são fundamentais para que os alunos com limitações físicas possam se locomover livremente pela escola — desenvolvendo a sua autonomia e auto-estima e diminuindo os casos de bullying.

A importância da atuação ativa dos pais

As leis são muitas, mas, na vida real, os alunos com deficiência física podem encontrar muitos obstáculos para poderem se desenvolver como merecem. Esse é um dos motivos para que os pais se mantenham atentos aos seus direitos e acompanhem as ações da gestão escolar.

Já com o aluno dentro de sala de aula, a participação desses responsáveis também é imprescindível, visto que, como todo criança, são essas as suas figuras de apoio, o seu porto seguro. Algumas atitudes que você, como mãe ou pai, pode ter para incentivar a vida escolar do seu filho são:

  • concentre-se no indivíduo, em suas capacidades e potencial, não nas limitações, e incentive a criança a fazer o mesmo;
  • construça um relacionamento positivo e afetivo;
  • tenha determinação e carinho para ajudar a sua criança a conquistar os melhores resultados que ela consegue;
  • proponha à comunidade escolar atividades diferentes para incluir e estimular aa criançaa com deficiência física, como aula de dança na Educação Física, esporte inclusivo, músicas, alfabetização com receitas etc.

A deficiência física na escola não deve ser um obstáculo — nem para a atuação da comunidade escolar nem para o desenvolvimento dos estudantes. Por meio de ideias inclusivas (que podem vir da gestão, dos professores e dos pais), é possível fazer com que a escola cumpra o seu papel primordial, que é garantir o bem-estar físico e mental dos alunos, promover a integração entre os indivíduos e estimulá-los a participarem da sociedade, indepentemente de suas limitações.

Este conteúdo foi esclarecedor e incentivador para você? Compartilhe-o em suas redes sociais e ajude a disseminar essas informações tão importantes sobre a inclusão!

Você também pode gostar

Deixe um comentário

-